Jan 102012
 

O MAC – Movimento Arte Contemporânea, em parceria com o Museu da Água, inaugura no dia 10 de Maio de 2012, pelas 19.00 h. a mostra individual de pintura do artista plástico Ricardo Paula, O Sotão onde Guardei a Alma.

A exposição estará patente ao público até dia 02 de Junho, de 2012, no Reservatório da Mãe d’Água, nas Amoreiras.

 

 

Ricardo Paula (1964)

Designer de formação, planificador gráfico de cinema e televisão, Art-Director em várias agências de publicidade multinacionais, desde cedo se dedicou à pintura.

O nome de Ricardo Paula surge-nos como um dos mais destacados pintores portugueses da sua geração.

A sua obra, iniciada no princípio da década de oitenta, tem traçado um compromisso entre o desenho e a pintura, num jogo articulado, onde o gesto pictórico de densas camadas de tinta se funde e rasga pela plasticidade do carvão.

A sua pintura/os seus desenhos, abordam aspectos recorrentes da paisagem humana no conflito do seu “eu”, numa poética que transborda emoções.

A pertinência dos seus trabalhos constitui uma oportunidade de reflexão sobre nós.

É da autoria do escritor António Alçada Baptista o texto “A intimidade e a pintura de Ricardo Paula” apresentado no catálogo da exposição retrospectiva da sua obra “O céu por quase nada” no torreão nascente da antiga Cordoaria Nacional em 2001.


 

Ricardo_Paula

Expõe individualmente desde 1982 com destaque para as exposições na Galeria Arte Periférica (1992), “Os Anjos” MAC-Movimento de Arte Contemporânea (1995), “Palco” na Galeria Galveias (2001), Galeria Artur Bual (2002), “Quase Noite” Galeria Magia Imagem (2002), “Marés” Galeria Paulpura (2002), “Carvões da Vida” MAC-Movimento de Arte Contemporânea (2003), “Para Sempre” Galeria de S. Francisco (2003), “Outros Ventos e sonhos” Galeria Palpura (2004), “Asas de Papel” Galeria Galveias (2004), “Fim de Tarde” Qta. Encosta Arte Contemporânea (2005), “Sonhos Bons, com Estrelas Douradas e tudo de Bom!” Galeria Galveias – Lisboa (2006), “Azul” Galeria de S. Francisco (2008), “Carvões da Vida” (Exposição retrospectiva da sua obra)Galeria Torreão Nascente (2008), MAC-Movimento de Arte Contemporânea (2009)

Expõe colectivamente desde 1982 em várias bienais nacionais e internacionais, em espaços institucionais e privados, como por exemplo Art 95 em New York, Hicetnunc/Art Fax em Itália

(1995), “Artists for Humanitarian Aid” Echo-Royal Tropical Institute em Amesterdão (1997), “Timbres D´Artistes” em Lausanne na Suíça (1998). Integrando o Grupo Paralelo na Igreja de S. Francisco no Castelo de Palmela, Centro Cultural da Embaixada de Portugal em Cabo Verde (2000), Universidade Estadual de Londrina-Paraná no Brasil (2001), entre outras.

Está representado no Museu da Cidade de Lisboa, Museu Municipal de Loures, Museu Armindo Teixeira Lopes em Mirandela, Biblioteca Municipal António Botto em Abrantes, Câmara Municipal da Amadora e mais recentemente no Museu da Assembleia da República. Este interesse abrange várias colecções particulares internacionais como Lloyd-Bank na Holanda, E.U.A, França, Angola, Suécia, Espanha, Brasil ,Suíça e Dubai.