May 192010
 

– No caballero, no es una broma, esto es una obra de arte.

– Monsieur, a que llama usted arte? Su cuadro no son más que unos goterones mal dispuestos sobre un lienzo estropeado y un tubo de pintura blanca echado a perder.

– Caballero, el lienzo no está estropeado, está maquillado, el blanco de los lienzos es ligeramente amarillo con lo que considero que se trata de un solo color. Las damas se maquillan con una ligera mejora de su color natural, a efectos visuales, esa mejora es mucho mayor que a efectos prácticos.

– Desde luego.

– Yo he hecho lo mismo con mi obra, he mutado ligeramente el color natural del lienzo, que era más bien de color hueso que de un blanco tan brillante como es ahora. La mejora es visible a simple vista.

May 192010
 

En uno de los eventos cultural-artísticos que la revista Niram Art ha organizado el pasado viernes 7 de mayo de 2010, debatimos sobre la evolución de las artes a partir de las Vanguardias del principio del siglo pasado hasta la actualidad. Pasábamos por las etapas, empezando con Henri Matisse y su enorme influencia en artistas de talla mundial, como Modigliani, el cubismo español y francés, el futurismo italiano, el dadaísmo rumano y alemán, hasta llegar a Miquel Barceló, hijo pródigo y genio eminente de la realidad europea y preponderantemente, la española. En la mesa de diálogo asistíamos seis, formando dos bandos que defendían principios diferentes.

Por una parte estaban los que decían que el arte ha enseñado todo lo que tenía que dar y se ha estancado en sus esquemas, retomando posiciones clásicas, vanguardistas, etc. pero sin traer nada nuevo.

May 192010
 

La trayectoria de los escritores pertenecientes a la Europa del Este, su influencia, las obras y su trascendencia, se limitan, principalmente, a los ámbitos nacionales, sin llegar a traspasar las fronteras lingüísticas hacia Occidente, en una Europa unida económicamente. Este inconveniente, aparte de aislar a los escritores a sus países de origen y limitarles a un público reducido, priva a Occidente de una riqueza cultural inmensa e inexplorada. Lo mismo pasa con el arte. Pocas veces y debido a circunstancias excepcionales, autores como Stanislaw Lem, Emil Cioran, Orhan Pamuk, Salman Rushdie o Herta Müller han conseguido llegar a las librerías de España. Pero aparte de ellos, ¿cuántos escritores ucranianos, búlgaros o moldavos conoce el público occidental? Demasiado pocos. Afortunadamente, este no es el caso de Nicolae Brebán, consagrado novelista rumano de la generación del 60, autor de novelas como Franciska, traducida al ruso, o Don Juan, traducida al francés, ensayos, teatro y poesía. La abrumadora figura de Brebán ha conseguido marcar la vida cultural de Rumania, siendo en la actualidad uno de los escritores más significativos de ese país y miembro de la Academia desde el año 2009.

 

May 182010
 

Marcella Savaget MadeiraMarcella Madeira is a Brazilian artist born in Rio de Janeiro in 1981. She works and lives in Amsterdam since 2007. She graduated in Social Communication in 2004 and from 2003 to 2005 she studied painting in the School of Visual Arts Parque Lage, in the Rio de Janeiro.

While she reveals a bold mixture of influences, her canvases have an unquestionable Brazilian flavour, the vibrant use of colours with the organic shapes create works that are as much playful and free as they are geometric and rhythmic.

In earlier works, her paintings showed a result of her exploration of the various possibilities of line as the essential element of a painting. By accentuating fine paint over canvas, skin over skin, dermis over dermis, she has created her own work method without brushes and using physical movements to distribute paint across the canvas. The juxtaposed geometrical lines on my canvas are irregular, undefined and sometimes intricate. The stripes strive for a magical moment where they assume their own significance, clashing with one another, crossing barriers and escaping the limits of perception.

 

May 182010
 

 

The last supper”, “L’ultima cena” is one of the most passionate themes which, starting with the religious motif has spread along the centuries, overcoming physical boundaries and symbolic interpretations.

Probably the most known artistic approach on this subject is the huge mural in oil and tempera painted by Leonardo da Vinci in Milano, upon request by the Duque Sforza and the Duchess Beatrice. The 13 characters, Jesus and his apostles have been given expressions and attitudes that have remained anthological.

May 182010
 

Estar perante a pintura de Fernando d’ F. Pereira é estar diante de um mundo muito próprio em que a obra se oferece ao fruidor num espectáculo de cor e forma, e em que estas se autodeterminam para aparência do acaso.

F. Pereira não se inscreve enquanto criativo no mundo massificado da arte global.

Antes, dela se distancia na medida em que não se detecta qualquer influência próxima, não pondo de lado contudo o manancial de saber que advém do conhecimento de toda a pintura anterior, desde um Pollock a um De Kooning, passando mesmo por um Du Buffet, tendo contudo sabido traduzir a síntese de todas as correntes estéticas do século XX num modo muito peculiar de operar no campo plástico a sua interioridade pelo prazer lúdico com que manipula os diversos materiais.

 


May 172010
 

Um conceito chave é comum a toda a produção escultórica de Santos Lopesmovimento.

E neste conceito, o escultor encerra um conjunto de motivações formais – dimensão, textura, patine – através das quais nos é dada uma aparência física, dos seres e das coisas, capaz de afectar os nossos sentidos de tacto e visão.

Santos Lopes constrói a matéria inerte na sobreposição de planos, volumes, arestas, possibilitando-lhe diversas variações de posição relativamente ao fruidor.

May 172010
 

Ao longo dos séculos, situações ocorreram diariamente, e entre os 365, o dia 23 de abril não foi diferente. Em 1563 começaram as obras do Monastério do Escorial; em 1844, se inicia a publicação dos Anais da Universidade do Chile (obra periódica mais antiga em espanhol da América). Nesta mesma data, em 1951, é criado a Associação da Academia da Língua Espanhola. Ou ainda um fato, que não está conectado a cultura, mas abalou Madri, foi o movimento sísmico de grande intensidade em 1909. E como cristãos que sois não se pode esquecer a morte do soldado e mártir romano que culminou no dia de São Jorge.

May 172010
 

Isto é selvagem como a gramática da pele


Isto é selvagem como a gramática da pele é um projecto que engloba o trabalho de três autores

João Duarte, escultor. José Manuel Simões, fotógrafo. Joaquim Pessoa, escritor.


May 172010
 

Como um artista atraindo atenção para sua arte, lá está o Grand elefant dret, com suas pernas para o ar entre a floresta e a ferrugem do edifício, e aí está o produto à imagem de seu criador. Miquel Barceló circula entre as selvas de pedras e folhas, entre a passagem de tempo e dos espaços, entre o mar e a terra. E a partir disto, das temáticas, é apresentada a retrospectiva de suas obras de 1983 a 2009, La solitude organisative.

Sendo impossível mostrar os 26 anos de trabalho, tanto pela quantidade, como pelo tamanho, já que ainda existem as obras públicas, como na capela de São Pedro e na cúpula do Palácio das Nações, a opção de agrupar em sete tópicos seria capaz de abranger a totalidade de suas obras. Então, esta boa eleição dos temas, traz à superfície as incertezas, medos e inquietação de Barceló, Peintre sue Tabourey – 1998, além de iluminar o caminho do pensamento à obra finalizada, Chemin de Lumière – 1986, no entanto não esclarece totalmente. Pois “tendo esta luz tão tênue” (para ter a experiência de captar imagens semelhantes às débeis luzes da igreja) ainda é difícil compreender tanto a obra, como sua construção, que a primeira vista, nos estranha.